Aluguel de ações: saiba como ganhar mais com suas ações

Aluguel de ações: saiba como ganhar mais com suas ações – Assim como outros tipos de aluguéis, o aluguel de ações também é possível. E você ainda pode ter uma renda extra. Quer saber como? Leia a seguir!

Apesar ser uma atividade pouca conhecida, o aluguel de ações existe sim. Com ele, você pode emprestar seus ativos em troca de taxa e experimentar uma relação de ganha-ganha no mercado de ações.

Para quem está locando os papéis, é uma excelente forma de rentabilizar a sua carteira. Assim como para o locatário, que pode ter neste processo uma oportunidade de investimento.

O que é aluguel de ações

Basicamente, o aluguel de ações é uma operação formada entre duas partes: o doador e o tomador. O doador é o proprietário das ações. E o tomador é aquele que irá tomar o empréstimo.

Nesse acordo deve haver um contrato de remuneração, com garantias e prazos definidos. Em geral, os ativos disponíveis para o processo de aluguel são: Ações, Units, ETFs e BDRs.

Para garantir a segurança das partes envolvidas, o processo de aluguel de ações é administrado pela BM&FBOVESPA. Além disso, a instituição serve como contraparte central para toda e qualquer operação.

O aluguel de ações acontece de forma muito parecida ao processo de locação de uma casa. O dono dos papéis informa à corretora sobre seu interesse em disponibilizar seus ativos para a locação.

Já o tomador precisa ter todas as garantias exigidas pela corretora para poder alugar as ações. Essas garantias visam dar segurança de capital para cobrir a liquidação dos vencimentos.

Assim, a instituição mediadora intermediará entre as partes, fazendo a transferência das ações. A quantidade, o valor e o prazo são definidos pelo próprio doador.

Aluguel de ações

Os custos

Como em qualquer tipo de negócio, é sempre imprescindível conhecer os custos operacionais de um negócio. Pois dependendo dos valores, a operação pode se tornar inviável para as partes.

No caso do aluguel de suas ações, o doador não terá qualquer tipo de custo. Mas para o tomador, existem diversas taxas a serem pagas. E por isso sua análise é fundamental, visto o impacto nos rendimentos ganhos. São elas:

  • Taxa de registro da BM&FBovespa: 0,25% a.a. sobre o total negociado;
  • Custo com a instituição financeira que faz a mediação: é variável;
  • Taxa de corretagem: os valores também são definidos pela instituição financeira.

O pagamento dos proventos é totalmente destinado ao doador. Então, para o tomador o aluguel de ações precisa ser muito bem analisado e se será um negócio vantajoso.

Os riscos

Para o doador no processo de aluguel de ações, os riscos envolvidos são baixos. Pois todos os procedimentos são feitos pela própria B3. Assim, existe a garantia de recebimento caso o doador não pague os valores devidos.

Com isso, a posição do tomador é mais delicada. Até mesmo pelas garantias exigidas, que podem sofrer atualizações diárias. Mesmo assim, ainda pode ser mais vantajoso do que adquirir ações próprias.

As vantagens

Para o doador, uma das vantagens no aluguel das ações é a possibilidade de rentabilizar um ativo parado. A taxa de remuneração neste tipo de operação tem variado entre 2 e 5% ao ano.

Além disso, o doador estará ganhando dividendos e seus ativos permanecem sendo valorizados com o passar do tempo. E como não há custos e tem a garantia da B3, é uma negociação de baixo risco.

Em termos gerais, pode-se dizer que o aluguel de ações é como um investimento de renda fica dentro da Bolsa. É uma aplicação segura, com retornos previsíveis, e dentro de um prazo determinado.

Gostou do artigo?

Ficou claro? Caso contrário deixe sua pergunta nos comentários.

Compartilhe esta informação com seus amigos.




Leave a Reply