IGPM Acumulado 2019: Tabela Inflação, Aluguel, Câmbio e Ouro

Confira o IGPM Acumulado 2019,  Índice Geral de Preços de Mercado (IGPM) é utilizado como referência no que diz respeito à correção de contrato de aluguéis residenciais. Em janeiro, o IGPM subiu apenas 0,01%, bem superior ao de dezembro que foi de -1,08% sendo um dos maiores níveis desde 2013.

No entanto, a inflação continua dentro das estimativas das Projeções Broadcast, que previam uma pausa entre 1,22% e 1,75%.

Deste modo, o IGPM acumulado está com uma alta de 6,74% em 12 meses, bem superior ao registrado em janeiro de 2018, onde o índice havia subido 0,76% e acumulava queda de 0,41% em 12 meses.

No mais, durante o primeiro mês mês deste ano, o indicador de acumulação registra 6,74% de elevação.

O que é IGPM Acumulado

Você em algum momento já ouviu falar sobre o IGP-M acumulado, mas ainda não sabe o que é?

O indicador nada mais é do que a soma de todos os valores do IPG-M acumulados em um período de 12 meses. Neste caso, é possível saber ao certo como reajustar o contrato de aluguel na data de vencimento do mesmo, seja ele comercial ou residencial.

O IGP é composto por mais 3 índices, confira quais:

• Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) – representa 60%
• Índice de Preços ao Consumidor (IPC) – representa 30%
• Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) – representa 10%

Cada índice deste correspondem a parcelas da despesa interna bruta, calculadas com base nas Contas Nacionais, veja a representação gráfica.

composição igp_grafico

Imagem: FGV IBRE

Saiba mais!

Efeito da greve dos caminhoneiros – IGPM Acumulado

Todos sabem que a greve dos caminhoneiros em 2018 gerou grandes impactos no setor financeiro. Mas, depois que a poeira abaixou, o principal ponto de sustentação do IGPM passou a ser a desvalorização do real frente ao dólar.

Ademais, a depressão cambial e a pressão sobre gastos de produtos dolarizados auxiliam para a crescente inflação. Há três indicadores do IGPM: Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPAM), que acelerou 1,00% para 2,19% entre os meses de agosto e setembro; o Índice Nacional de Custo da Construção (INCCM), que desacelerou para 0,17% e, por fim, o Índice de Preços do Consumidor Amplo (IPCM) que acelerou para 0,28%.

IGMP Acumulado

O IGP-M acumulado é o percentual comparado do  valor do indicador em determinado mês em relação ao seu valor no encerramento do ano anterior.Na tabela baixo consta a partir de 1995 até 2018.

IGPM acumulado

Indicadores Econômicos em Janeiro de 2019

Confira o IGPM Acumulado referente ao ano de 2018 até o mês de setembro, os números do  IGPM Acumulado constam na tabela  IGPM Acumulado desde 1993. Veja a tabela do IGPM Acumulado nos últimos 12 meses, no ano, no mês e o  IGPM Acumulado desde janeiro de 93.

Mês/ano Índice do mês
(em %)
Índice acumulado
no ano (em %)
Índice acumulado nos últimos 12 meses
(em %)
Número índice
acumulado a partir
de Jan/93
Jan/2019 0,01 0,0100 6,7516 1.702,9690
Dez/2018 -1,08 7,5521 7,5521 1.702,7987
Nov/2018 -0,49 8,7264 9,6940 1.721,3897
Out/2018 0,89 9,2618 10,8074 1.729,8660
Set/2018 1,52 8,2979 10,0496 1.714,6060
Ago/2018 0,70 6,6764 8,9114 1.688,9342
Jul/2018 0,51 5,9349 8,2624 1.677,1938
Jun/2018 1,87 5,3974 6,9376 1.668,6835
Mai/2018 1,38 3,4626 4,2712 1.638,0519
Abr/2018 0,57 2,0542 1,8953 1.615,7545
Mar/2018 0,64 1,4758 0,2033 1.606,5969
Fev/2018 0,07 0,8305 -0,4239 1.596,3801
Jan/2018 0,76 0,7600 -0,4140 1.595,2634

O primeiro mês de 2019 o índice se manteve estável, um bom indicador, uma vez que em dezembro houve uma queda de 1,08%

Contudo, no último pregão do mês, a moeda norte-americana caiu, enquanto a bolsa apresentou alta. Devido ao parecer desfavorável do TSE à candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o Partido dos Trabalhadores – PT enfraqueceu, diminuindo a disputa eleitoral. Agora, Fernando Haddad assumiu no lugar o petista que se encontra preso em Curitiba.

O mês de setembro foi duro frente aos mercados doméstico e externo. O oitavo mês do ano foi marcado por uma queda drástica nas ações B3 e uma elevada alta do dólar, como de costume.

Câmbio e Ouro

Por outro lado, o IBOV fechou o pregão das últimas semanas com alta de 0,36%, aos 76.677 pontos, mas a queda do mês foi de 3,21%. O dólar comercial, por sua vez, fechou o último pregão com queda de 1,72%, sendo cotado a R$ 4,0721.

Dolar

I-Dólar:
Comercial
DIA Compra Venda

27/12
28/12
02/01

R$ 3,893
R$ 3,874
R$ 3,808
R$ 3,894
R$ 3,875
R$ 3,909

Euro

II-Euro:
DIA Compra Venda

27/12
28/12
02/01

R$ 4,457
R$ 4,433
R$ 4,315
R$ 4,458
R$ 4,434
R$ 4,316

Ouro

III-Ouro:
DIA Compra

27/12
28/12
02/01

R$ 159,00
R$ 159,90
R$ 155,00

Sendo assim, o risco do dólar retomar o movimento de alta a partir dos próximos pregões não é baixo, porém o ritmo de escalada alta pode ser amenizado nos próximos dias, especialmente depois da atuação do BC, com uma oferta de swap cambial.A queda foi forte, mas superou a baixa de 1,85% de 20 de julho deste ano. Em contraponto, a alta acumulada no último mês e de 8,49%, a elevação mais forte desde setembro de 2015, quando a alta foi de 9,34%.

No mercado externo, depois que as notícias de que Donal Trump poderia implementar tarifas adicionais ás mercadorias chinesas, o clima ficou escuro. De acordo com os assessores do presidente norte-americano, ele estaria preparado para intensificar a disputa comercial com a China.

No último pregão, os estrangeiros aumentaram a posição comparada à bolsa brasileira em R$ 205,26 milhões, resultado de compras de R$ 4,20 bilhões e vendas de R$ 3,99 bilhões.

No total acumulado, o resultado é de R$ 3,50 bilhões, uma vez que o saldo negativo do ano caiu para R$ 2,58 bilhões, indicando que os estrangeiros aproveitam a desvalorização da bolsa em dólar para acrescer suas posições, mesmo neste cenário de incertezas políticas.

Indicadores / Mês

out/18 nov/18 dez/18 jan/19 Ano 12 meses
Poupança antiga (1)
Poupança (2)
TR*
TJLP
FGTS (3)
SELIC – Déb Fed (4)
UPC ***
Salário Mínimo
Salário Mínimo SP (5)
UFIR (6)
(%)
(%)
(%)
(%)
(%)
(%)
(%)
(R$)
(R$)
(R$)
0,5000%
0,3715%
0,0000
0,5638
2,466
0,49
23,54
954,00
1.108,38
0,5000%
0,3715%
0,0000
0,5827
0,2466
0,49
23,54
954,00
1.108,38
0,5000%
0,3715%
0,0000
0,5827
0,2466
0,49
23,54
954,00
1.108,38



0,5867

0,54
23,54
998,00
1.108,38
6,17
4,62
0,00
6,82
3,00
6,43
0,00
0,00

6,17
4,62
0,00
6,84
3,00
6,39
0,00
4,61

** Débitos Federais;* TR – Taxa Referencial;

*** Unidade Padrão de Capital;

(1) Rendimento no 1º dia do mês seguinte, para depósitos até 03/05/12;

(2) Rendimento no primeiro dia do mês seguinte para depósitos a partir de 04/05/2012 – MP nº 567, de 03/05/2012.

(3) Crédito no dia 10 do mês seguinte (TR + juros de 3 % ao ano).

(4) Juro pela Taxa Selic para pagamentos de débitos federais em atraso – no mês do pagamento, a taxa é de 1%;

(5) São duas faixas salariais mínimas, com vigência a partir deste mês: R$ 905 (para domésticos, agropecuários, ascensoristas, motoboys) e R$ 920 (para operadores de máquinas, carteiros, cabeleireiros, trabalhadores de turismo, telemarketing);

(6) Extinta pela Medida Provisória nº 1973/67, de 27/10/00 – último valor: R$ 1,0641; BTN + TR cheia – suprimido por ser título extinto pela Lei nº 8.177, de 01/03/1991, embora ainda existam alguns em circulação.

Fonte: Folha Online, Valor Econômico.

Inflação – Fontes Diversas – Referência Atualizada: Dezembro/ 2018

ÍNDICES abr/18 mai/18 jun/18 jul/18 agos/18
INPC / IBGE (%)
IPCA / IBGE (%)
IPCA Esp / IBGE (%)
ICV / DIEESE (%)
IPC / FIPE (%)
IGP-DI / FGV (%)
IPA -DI / FGV (%)
IPC-DI / FGV (%)
INCC-DI / FGV (%)
IGP-M / FGV (%)
IPA-M / FGV (%)
IPC-M / FGV (%)
INCC-M / FGV (%)
CUB-Sinduscon (%)
(%)
(%)
(%)
(%)
(%)
(%)
(%)
(%)
(%)
(%)
(%)
(%)
(%)
0,21
0,22
1,11
0,04
-0,03
0,93
1,26
0,34
0,29
0,57
0,71
0,31
0,28
0,24
0,43
0,40
0,14
0,07
0,19
1,64
2,35
0,41
0,23
1,38
1,97
0,26
0,30
0,55
1,43
1,26
1,11
1,38
1,01
1,48
1,67
1,19
0,97
1,87
2,33
1,09
0,76
0,63
0,25
0,33
0,64
0,14
0,23
0,44
0,52
0,17
0,61
0,51
0,50
0,44
0,72
0,36
0,00
-0,09
0,13
-0,09
0,41
0,68
0,99
0,07
0,15
0,70
1,00
0,05
0,30
0,35
set/18 out/18 nov/18 dez/18 12meses
INPC / IBGE (%)
IPCA / IBGE (%)
IPCA Esp / IBGE (%)
ICV / DIEESE (%)
IPC / FIPE (%)
IGP-DI / FGV (%)
IPA -DI / FGV (%)
IPC-DI / FGV (%)
INCC-DI / FGV (%)
IGP-M / FGV (%)
IPA-M / FGV (%)
IPC-M / FGV (%)
INCC-M / FGV (%)
CUB-Sinduscon (%)
(%)
(%)
(%)
(%)
(%)
(%)
(%)
(%)
(%)
(%)
(%)
(%)
(%)
0,30
0,48
0,09
0,55
0,39
1,79
2,54
0,45
0,23
1,52
2,19
0,28
0,17
-0,03
0,40
0,45
3,23
0,58
0,48
0,26
0,17
0,48
0,35
0,89
1,11
0,51
0,33
0,15
-0,25
-0,21

0,32
0,15
-1,14
-1,70
-0,17
0,13
-0,49
0,81
0,09
0,26
0,28


-0,16






-1,08
-1,67
0,04
0,13
3,56
4,05
3,86
4,37
3,49
8,38
10,82
4,24
3,78
7,54
9,43
4,12
3,97
3,46

Reajuste de Aluguel e Outros Contratos:

Acumulado até Dezembro(*)
IGP-M FGV)
IGP-DI (FGV)
IPC-FIPE
1,0968
1,0838
1,0349
IPCA (IBGE)
INPC (IBGE)
ICV-DIEESE
1,0405
1,0356
1,0439

Fonte: Folha de São Paulo(*) Acumulado até Julho reajusta aluguéis e contratos a partir de Agosto, para pagamento em Setembro; acumulado até Agosto reajusta a partir de Setembro, para pagamento em Outubro.

IGPM Acumulado 2019: Tabela Inflação, Aluguel, Câmbio e Ouro
5 (100%) 7 votes


Leave a Reply