O que mudou com a Reforma Trabalhista?

O que mudou com a Reforma Trabalhista? Esta  está sendo com certeza umas das grandes perguntas dos trabalhadores, que acompanharam as discussões no Congressos, muitos só ouviram falar da Reforma, mas de fato não sabe o  que mudou com a Reforma Trabalhista 2017.

Mas vamos aqui falar um pouco do que mudou na Reforma Trabalhistas, fique atento a seus direitos!

Nova Lei Trabalhista

Em 13 de julho de 2017 foi sancionada a nova lei trabalhista que vai mudar a relação dos trabalhador com o patrão e quanto mais informações você souber sobre este assunto melhor!

A Lei 13.467 de 13 de julho de 2017 foi finalmente sancionada pelo presidente Michel Temer e publicada no Diário oficial da União, ela entrará em vigor a a partir de novembro, portanto é de suma importância que todo trabalhador leia esta nova lei, que é de fato uma nova CLT. Mas facilitamos neste artigo abordando alguns dos principais artigos desta lei.

Alguns pontos são bem polêmicos ainda, outros acabaram modernizando a lei.

Veja também:

O que mudou com a Reforma Trabalhista

O que mudou com a Reforma Trabalhista

Agora vamos listar as principais mudanças, mostrar o que mudou com a Reforma Trabalhista:

1. O que mudou com a Reforma Trabalhista – Demissão

Antes: No caso de demissão por justa causa do trabalhador, ele não tem direito a multa de 40% do FGTS.

Depois:  Passa a valer o acordo em as partes e se ocorrer o trabalhador terá direito a 20% da multa do FGTS  e poderá sacar os 80% depositado, além da metade do aviso prévio. Mas neste caso de demissão por acordo, o trabalhador não tem direito ao seguro desemprego.

2. O que mudou com a Reforma Trabalhista – Contribuição Sindical

A contribuição deixa de ser obrigatória e passa a ser facultativa

3. O que mudou com a Reforma Trabalhista – Banco de Horas extras

Antes: O excesso de horas em um dia de trabalho pode ser compensado em outro dia, sendo que não exceda a 1 ano, à soma da jornada semanais de trabalho previstas. Existe também um limite de 10 horas diaras.

Depois: O banco de horas pode ser compactuado por acordo individual escrito, desde que a compensação se realize no mesmo mês.

4. O que mudou com a Reforma Trabalhista – Deslocamento

Antes: O tempo de deslocamento do trabalhador até o local de trabalho era considerado como parte da jornada de trabalho, inclusive para efeito de acidente de trabalho.

Depois: O tempo de deslocamento do trabalhador de sua residência até seu posto de trabalho e o seu retorno, seja caminhando ou por qualquer meio de transporte, inclusive o fornecido pelo empregador, não será computado na jornada de trabalho, por não ser tempo à disposição do empregador.

5. O que mudou com a Reforma Trabalhista – Férias

Antes: As férias poderiam ser divididas em até dois períodos, sendo que um deles não poderiam ser inferior a 10 dias.

Depois: Havendo acordo entre patrão e empregado as férias poderão acontecer em até 3 períodos, sendo que um deles não poderá ser inferior a 14 dias corridos e os outros dois não poderão ser inferiores a 5 dias corridos, cada um. A lei também veda o início das férias no período de dois dias que antecede feriado ou dia de repouso semanal remunerado.

6. O que mudou com a Reforma Trabalhista -Descanso para almoço

Antes:  O trabalhador que exerce a jornada padrão de 8 horas diárias tem direito a no mínimo uma hora e a no máximo duas horas de intervalo para repouso ou alimentação.

Depois:  O intervalo dentro da jornada de trabalho poderá ser negociado, desde que tenha pelo menos 30 minutos. Além disso, se o empregador não conceder intervalo mínimo para almoço ou concedê-lo parcialmente, a indenização será de 50% do valor da hora normal de trabalho apenas sobre o tempo não concedido em vez de todo o tempo de intervalo devido.

7. O que mudou com a Reforma Trabalhista -Negociação

Antes: Convenções e acordos coletivos podem estabelecer condições de trabalho diferentes das previstas na legislação apenas se conferirem ao trabalhador um patamar superior ao que estiver previsto na lei.

Depois: Convenções e acordos coletivos poderão prevalecer sobre a legislação. Assim, os sindicatos e as empresas podem negociar condições de trabalho diferentes das previstas em lei, mas não necessariamente num patamar melhor para os trabalhadores.

 8. O que mudou com a Reforma Trabalhista – Trabalho intermitente

Esta foi uma grande mudança, antes de falar aqui como era e como ficou vamos, conceituar o que pe trabalho intermitente.
O trabalho intermitente, conforme a nova lei da reforma trabalhista é o contrato de trabalho no qual a prestação de serviços, com subordinação, não é contínua, ocorrendo com alternância de períodos de prestação de serviços e de inatividade, determinados em horas, dias ou meses, independentemente do tipo de atividade do empregado e do empregador, exceto para os aeronautas, regidos por legislação própria.
Antes: Não havia
Depois:  Deve ser celebrado por escrito, o valor da hora de trabalho não pode ser inferior ao valor horário do salário mínimo ou àquele devido aos demais empregados do estabelecimento que exerçam a mesma função em contrato intermitente ou não. O chamado para io trabalho deverá ser de até 3 dias corridos antes a execução do serviço, depois da convocação ele terá até um dia útil para responder.

9.  O que mudou com a Reforma Trabalhista – Jornada de trabalho

Antes: A jornada é limitada a 8 horas diárias, 44 horas semanais e 220 horas mensais, podendo haver até 2 horas extras por dia.

Depois:  Jornada diária poderá ser de 12 horas com 36 horas de descanso, respeitando o limite de 44 horas semanais (ou 48 horas, com as horas extras) e 220 horas mensais.

10. O que mudou com a Reforma Trabalhista -Home office

Antes: A legislação não contempla essa modalidade de trabalho.

Depois: Tudo o que o trabalhador usar em casa será formalizado com o patrão via contrato, como equipamentos e gastos com energia e internet, e o controle do trabalho será feito por tarefa.

11.  O que mudou com a Reforma Trabalhista – Gravidez

Antes: Mulheres grávidas ou lactantes estão proibidas de trabalhar em lugares com condições insalubres. Não há limite de tempo para avisar a empresa sobre a gravidez.

Depois: É permitido o trabalho de mulheres grávidas em ambientes de baixa ou média insalubridade, exceto se apresentarem atestado médico que recomende o afastamento. Mulheres demitidas têm até 30 dias para informar a empresa sobre a gravidez.

12. O que mudou com a Reforma Trabalhista – Remuneração

Antes:  O valor pago a titulo e produtividade não poderia ser menor que a diária correspondente ao piso da categoria ou salário mínimo.  Abonos, diárias, prêmios, gratificações, comissões integravam os salários.

Depois:  Agora o valor da remuneração por produção de acordo com o valor do piso da categoria ou do salário mínimo não será obrigatório. Deixam de fazer parte da remuneração do trabalhador e por conseguinte não farão mais parte de incidência de encargos trabalhistas, como INSS e FGTS, por exemplo, as comissões, gratificações, diárias de viagens, auxilio alimentação, ajuda de custo, abonos

13. O que mudou com a Reforma Trabalhista – Terceirização

Antes: A lei da Terceirização foi sancionada pouco tempo antes da Reforma Trabalhista.

Depois:  Terá um período de carência de  18 meses  em que a empresa não poderá demitir o trabalhador e depois recontratá-lo como terceirizado. A lei ainda prevê que o trabalhador terceirizado  terá as mesmas condições de trabalho dos efetivos, como atendimento ao ambulatório, alimentação, segurança, transporte, capacitação e qualidade de equipamentos.

Depois da abordagem de 13 principais pontos, já dá para você saber o que mudou com a Reforma Trabalhista e a relação do empregado e empregador.

Deixe aqui sua opinião, seu comentário, se gostou compartilhe com todos que você conhece para dar conhecimento sobre o que mudou com a Reforma Trabalhista.

O que mudou com a Reforma Trabalhista?
4.3 (86.67%) 9 votes

Leave a Reply